Fiéis marcam presença nas celebrações nos cemitérios de Gurupi

Fiéis celebram solenidade do Dia de Todos os Santos na Matriz de Santo Antônio de Gurupi
4 de novembro de 2019
Pe Vilmário Lustrosa recebe Moção de Aplausos na Câmara dos Vereadores de Gurupi
6 de novembro de 2019

Fiéis marcam presença nas celebrações nos cemitérios de Gurupi

Neste sábado dia de finados (02), a comunidade da Matriz de Santo Antônio de Gurupi juntamente com o Pe. Eldinei Carneiro, celebraram o dia em que é marcado para lembrar os que não estão mais conosco. Para a Igreja Católica o dia criado para honrar e lembrar as pessoas que já faleceram. O Dia de Finados é comemorado por ordem da Igreja Católica desde o século XI, que no século XIII determinou que esse dia deveria ser celebrado no dia 2 de Novembro.

Na homilia Pe. Eldinei Carneiro focou na Transitoriedade na vida. " Tudo é passageiro e efémero e que o homem veio para semear a semente do perdão do amor e da misericórdia, celebrar os entes queridos é saber que eles morreram de maneira física, mas que os gestos, a saudade e os gestos e os sentimentos que eles deixaram sempre vivos dentro do nosso coração, e é o momento que a Igreja nos coloca a ter uma fé na ressurreição e na vida eterna e na imortalidade da alma". 

As celebrações foram realizadas nos dois cemitérios de São José (saída para Peixe), e cemitério Santo Antônio (centro de Gurupi). 

A história da criação do dia de finados

 Os primeiros vestígios de uma comemoração coletiva de todos os fiéis defuntos são encontrados em Sevilha (Espanha), no séc. VII, e em Fulda (Alemanha) no séc. IX.

O fundador da festa foi Santo Odilon, abade de Cluny, o qual a introduziu em todos os mosteiros de sua jurisdição, entre os anos 1.000 e 1.009. Na Itália, em geral, a celebração já era encontrada no fim do séc. XII e, mais precisamente, em Roma, no início do ano de 1.300. Foi escolhido o dia 2 de novembro para ficar perto da comemoração de todos os santos.

Neste dia, a Igreja, especialmente, autoriza cada sacerdote a celebrar três Missas especiais pelos fiéis defuntos. Essa prática remonta ao ano de 1915, quando, durante a Primeira Guerra Mundial, o Papa Bento XV julgou oportuno estender a toda Igreja esse privilégio de que gozavam a Espanha, Portugal e a América Latina desde o séc. XVIII. (Fonte: Canção Nova)

Pastoral da Comunicação Social.

Pároco: Eldinei Carneiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: