Padres do Tocantins participam de Sessão Especial para homenagear Santa Dulce

Renovação Carismática do Tocantins celebra 50 anos durante Congresso em Palmas
19 de novembro de 2019
Artista sacra Mari Bueno apresenta seu trabalho durante formação litúrgica em Gurupi
27 de novembro de 2019

Padres do Tocantins participam de Sessão Especial para homenagear Santa Dulce

Na manhã de ontem os Padres Eldinei Carneiro (Paróquia Santo Antônio de Gurupi -TO), Jucimar Ribeiro (Nossa Senhora das Mercês - Porto Nacional - TO), Marcílio Brandão (Arquidiocese de Palmas - TO, exercendo o ministério em Goiânia - GO). Osteval Glória (Gurupi - TO) participaram no Plenário do Senado Federal da Sessão Especial para homenagear a Canonização da Irmã Dulce. A propositura foi iniciativa da Senadora Kátia Abreu (PDT - TO).

Também estiveram presentes os Senadores da Bahia: Jacques Wagner (PT - BA), Angelo Coronel (PSD - BA) e Otto Alencar (PSD - BA), que destacaram as obras sociais da Irmã Dulce, especialmente o empenho na construção do maior hospital de Salvador - BA.

A Senadora Kátia Abreu salientou a importância dos trabalhos da Religiosa: “A sessão de hoje de homenagem à Santa Dulce dos Pobres é uma oportunidade para que o Senado da República assuma as responsabilidades e o legado da primeira santa brasileira e comece a discutir, com a maior urgência possível, soluções efetivas de suspensão da pobreza e das desigualdades sociais vividas pelos brasileiros. Garantir a dignidade humana a milhões de brasileiros e brasileiras é nossa obrigação, é nosso dever”. E finalizou: “Ao lado do Estado, que não pode faltar a quem precisa do Estado, os pobres do Brasil precisam contar com inúmeras 'irmãs dulces', com um esforço suplementar de solidariedade de todos nós. Que possamos, espiritualmente, vestir o hábito de Irmã Dulce e fazer minimamente o papel que ela fazia”. Esteve presente também o Representante da CNBB, Pe. Paulo Renato, que destacou a visão da Igreja: “A fé e a vida são inseparáveis, são duas colunas do Cristianismo”.

No final da Sessão, o Pe. Eldinei Carneiro foi convidado para ministrar a bênção final, na sua fala eles enfatizou: “Temos muitas coisas semelhantes com a Bahia, lá tem o Santuário de Bom Jesus da Lapa, nós temos o Santuário do Senhor do Bonfim. As regiões do Norte e Nordeste trazem o sentido da luta e das pessoas simples. Minha Paróquia leve o mesmo nome do hospital da irmã Dulce, Santo Antônio”. E concluiu: “Os Santos têm quatro elementos em comuns: a oração, fé, cruz e a caridade. Irmã Dulce é um exemplo para todos nós pois deu não somente o remédio, que cura o corpo, mas o amor, que cura a alma”. Após a cerimônia foi servido um coffe break.

Quem foi Irmã Dulce

Batizada como Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, ela era a segunda filha do professor universitário e dentista Augusto Lopes Pontes e da dona de casa Dulce de Souza Brito. Nasceu em Salvador, em 1914, e, a partir de 1921, adotou o nome da mãe. A religiosa dedicou-se à missão de ajudar as comunidades pobres da capital baiana e ficou reconhecida ao longo da vida pela devoção ao próximo, sobretudo os doentes e necessitados. Ela criou e ajudou a criar várias instituições filantrópicas, como o Hospital Santo Antônio, que atende milhares de pessoas todos os dias. Dulce foi beatificada em 2011, quando passou a ser reconhecida como beata Dulce dos Pobres. Após a canonização, tornou-se Santa Dulce dos Pobres e a primeira santa nascida no Brasil.

 Pe. Eldinei Carneiro com coloração da Agência do Senado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: